terça-feira, 9 de outubro de 2012

"Esta crise não é minha"

Nas suas diversas variantes esta é, para mim, a expressão máxima da desresponsabilização cívica; e eu ouço-a demasiadas vezes, com demasiada veemência, proferida por pessoas que usufruíram q.b. das regalias do sistema e que, por isso, deviam ter vergonha, fechar a matraca e ir fazer alguma coisa útil.

Não haja ilusões, esta crise (que mais do que económica será, preponderantemente, de valores) é de todos; somos todos responsáveis e a menor das nossas culpas é termos preferido o silêncio à acção quando percebemos que o Estado estava a ser delapidado. Calamos, porque agir dava trabalho e andávamos cansados; porque obrigava à confrontação e nós gostamos de ser os tipos porreiros que estão de bem com todos; porque em troca do silêncio lá conseguimos um subsídio, ou o gimnodesportivo para a freguesia, e então as contas equilibravam-se. 

Alguém acreditou, algum dia, que a nossa estrutura económica suportava os quilómetros de autoestrada construída? Ou os milhares de rotundas e outras relíquias dos patriarcados municipais? Ou os infindos apoios e subsídios a empresas, fundações, associações e outras que tais? Ou, ou, ou, ou! 

Em contrapartida, alguns do que outrora calavam, agora que é chegada a hora de pagar a factura, vem para a rua, e para os jornais e para os noticiários televisivos. Agitam-se, gritam, manifestam-se. E esses, o mais que reclamam é terem tido que cortar nas férias e nas jantaradas, o já não conseguirem pagar o seu T3 com vista para o Tejo e o piqueno BMW que até só é da série 1. E enquanto se manifestam vão tirando fotografias nos seus iphones para partilhar com os amigos nas redes sociais. E marcham como carneiros, sem perceberem que vão sendo carne para canhão na propaganda dos profissionais do contra - esses, que o RCA sabiamente apelida de imbecis e que, ainda em palavras dele, "nunca foram poder e talvez por isso não deixaram de prometer, a quem os quis ouvir, a ilusão de uma sociedade igualítária. Essa ideia cretina que todos vamos ter carro (de preferência novo), roupas de marca, um curso superior, casa própria, que todos os trabalhos merecem rendimento igual e que quem tem dinheiro, seja ele poupado, herdado ou fruto do risco, deve ser penalizado por esse crime."

Para nos defendermos da "agressão" invocamos como argumento maior 9 séculos de História e, no entanto, o que se vê, principalmente a partir do século XV, é um Pais que vive por conta. Vivemos por conta do ouro do Brasil, das especiarias da Índia, dos escravos de África, dos subsídios da UE (e de N outras fontes), aniquilámos a nossa força produtiva e transformamos-nos num País de serviços; agora, que nos vemos obrigados a viver do que produzimos, não sabemos onde acorrer porque, em boa verdade, não produzimos porra nenhuma. (e só sairemos verdadeiramente da crise quando esta realidade mudar)

Nota de Rodapé: a todos os que realmente se empenham e dão o seu melhor como trabalhadores e cidadãos; aos que se manifestam de pleno direito (entenda-se, os que tem razões reais para tal), a todos os que, vitimas do infortúnio ou da falta de escrúpulos, ficaram desamparados, a minha homenagem e votos de sucesso. Os outros saberão quem são.

1 comentário:

  1. Pena os blogs não terem a opção Gosto Disto ou GOSTO mesmo muito disto!

    ResponderEliminar

Bem-vindo ao centro-de-tudo, bem vindo a Kirabu. Sinta-se livre de partilhar a sua opinião, todas as palavras serão recebidas com prazer. A moderação de comentários servirá, exclusivamente, para prevenir comentários desrespeitosos ou que, de alguma forma, possam ser considerados ofensivos. Não será concerteza o seu caso, por isso, desde já muito obrigado!